Crime na estrada: Como o caminhoneiro previnir

Assim como tem ocorrido dentro das cidades, realizar o transporte de cargas pelas rodovias do Brasil a fora tem se tornado um trabalho difícil para os caminhoneiros, devido ao constante crescimento no número de roubos e furtos de carga, entre outros pertences. Sendo assim, para quem trabalha com esse serviço é preciso estar sempre em alerta para não ser o próximo a sofrer um crime na estrada. 

Diante desse cenário alarmante, é necessário tomar algumas atitudes que contribuem para a realização de uma viagem mais segura. Essas boas práticas podem ir desde a adoção de tecnologias de segurança até mudanças de hábitos durante os transportes. Dessa forma, se torna menor a chance da ocorrência de uma maior dor de cabeça.

Então, quer saber como pode deixar a sua viagem mais segura e não correr risco de sofrer algum crime na estrada? Siga com a leitura desse artigo até o final e descubra 7 dicas de como evitar problemas durante o transporte de cargas. 

7 dicas para o caminhoneiro evitar crime na estrada

7 dicas para o caminhoneiro evitar crime na estrada

Conheça agora algumas práticas simples que podem trazer uma maior segurança na estrada para você:

1 – Estude a rota traçada

rota traçada

Apesar de sempre estar rodando pelas mais diferentes estradas do Brasil e ter experiência no volante, sempre existirá um momento onde o caminhoneiro terá de fazer um percurso novo devido a um determinado serviço. Dessa forma, cresce o risco de se perder durante o caminho ou até mesmo transitar por locais perigosos devido ao puro desconhecimento.

Para evitar esse tipo de situação, independente da estrada onde for rodar, é preciso criar o hábito de sempre estudar a rota que será percorrida durante a realização da tarefa. Essa ação garante que você conhecerá de antemão quais os pontos deve evitar, as estradas em melhores condições, entre outros aspectos que auxiliam no momento da viagem.

Sendo assim, para que esse estudo seja realmente proveitoso, deve ser sempre levado em conta ao analisar uma rota:

  • Trajetória;
  • Pontos de parada;
  • Postos policiais;
  • Estradas perigosas.  

2 – Faça manutenção preventiva no caminhão

Faça manutenção preventiva no caminhão

Essa talvez seja a dica que os caminhoneiros mais recebem, mostrando a importância que essa questão apresenta. Realizar a manutenção preventiva do caminhão dentro dos períodos estipulados pelo fabricante evita não só acidentes por falha mecânica como também contribui para segurança da viagem, reduzindo os riscos de crime na estrada.

Isso porque um caminhão que sofre algum problema na estrada fica exposto a ação de bandidos mais facilmente, além dificultar o andamento da viagem, o que implica em uma perda de tempo durante o percurso para a realização de algum concerto ou qualquer outro tipo de ação corretiva.  

3 – Responsabilidade no volante

Responsabilidade no volante

Também é preciso compreender que além de estar levando uma carga de valor, ao dirigir um caminhão nas estradas, o caminhoneiro tem responsabilidade sobre a sua própria vida e das outras pessoas que por ventura cruzam o seu caminho nas rodovias. Desta maneira, é necessário encarar o ato de dirigir com ainda mais responsabilidade.

Obedecer às leis de trânsito, os limites de velocidade da via, além de não dirigir com sono excessivo ou sobre o efeito de estimulantes são apenas algumas práticas que devem ser seguidas na estrada. Ao dirigir o caminhão dessa forma, por exemplo, diminui as chances de ocorrer um acidente e, por consequência, um furto da carga transportada. 

4 – Faça pausas durante o percurso

Faça pausas durante o percurso

Como mencionado no tópico anterior, o sono e o cansaço são dois “inimigos” comuns dos motoristas de caminhão. Esse problema se agrava, muitas vezes, devido aos prazos de entregas que devem ser cumpridos. Apesar disso, evitar pausas para descansar ou dormir não é a melhor estratégia otimizar suas viagens e evitar crime na estrada. 

O ideal é que caminhoneiro faça, pelo menos, uma pequena pausa, algo em torno de 20 minutos, a cada 3 horas de viagem. Essa é uma técnica que faz com que o corpo fique mais descansado e tenha um melhor rendimento ao volante, realizando o percurso definido de forma mais segura. 

A tecnologia pode te ajudar nesse ponto através de aplicativos de trajetos, que indicam pontos de parada, serviços e outras utilidades. 

Infográfico: o que todo caminhoneiro precisa ter dentro do seu caminhão

5 – Diminuir o tempo da carga parada

Como já mencionado, o caminhoneiro necessita de um tempo de descanso para a viagem consiga ser de fato eficiente, evitando o desgaste excessivo e riscos na condução. Entretanto, esses momentos de pausa precisam ser bem planejados, pois cargas paradas na estrada são mais fáceis de serem alvos da ação de ladrões.

Sendo assim, deve existir um equilíbrio entre o tempo parado e o rodando pelas estradas. O motorista deve conseguir atender às suas necessidades básicas durante esse período e pausa e, assim que possível, já retornar para o volante. Qualquer período além disso já representa risco à carga.  

6 – Evitar o transporte noturno

Outro ponto que precisa ser levado em consideração por aqueles motoristas que desejam diminuir os riscos de sofrer crime na estrada é o transporte de cargas à noite. Diversas rodovias brasileiras apresentam problemas de má conservação, sinalização ruim, precariedade na iluminação, entre outras coisas, o que pode ser usado a favor dos criminosos, ainda mais no período noturno.

Além disso, dirigir à noite se torna uma tarefa arriscada devido a pouca fiscalização das estradas, sendo um prato cheio de possibilidades para os criminosos aproveitaram. Diante desse cenário, é preferível optar pelos transportes diurnos, uma vez que as condições da rota, apesar de não serem as melhores, são mais seguras para o motorista e a carga transportada.

7. Alimente-se bem e evite distrações

Por último, mas não menos importante, está a questão da alimentação durante o trajeto. Assim, evite comer coisas muito pesadas antes de pegar a estrada por causa da sensação de sonolência que é gerada. Isso é gerado, normalmente, pela alta concentração de sangue no estômago e baixa no cérebro, local esse aliás, que mais necessita de sangue no momento da direção. 

Também é preciso focar na hidratação, bebendo ao menos dois litro de água por dia. Além disso, já em relação ao ato de dirigir em si, é preciso atenção total na estrada. Assim, evite ficar conversando ou no celular durante uma viagem de horas. Prefira ouvir o rádio, pois essa atitude não desvia os seus olhos da estrada. Afinal qualquer distração pode ser utilizada por pessoas más intencionadas.

Conclusão

Como demonstrado ao longo do artigo, para diminuir os riscos de crime na estrada não é preciso tomar atitudes muito drásticas. Basta adequar algumas posturas ao volante e sempre ter o foco na máxima segurança, seja da carga ou na própria. Deixe um comentário sobre a sua opinião em relação a esse tema. 

Check List do caminhoneiro

Conteúdo Originalmente postado em: Crime na estrada: Como o caminhoneiro previnir.

Viagem de caminhão: Como fazer uma viagem segura em 2020

Toda profissão apresenta benefícios e obstáculos para os trabalhadores que que desejam segui-lá. Com os caminhoneiros não seria diferente, portanto. Conhecer diversos locais do país pode ser considerado uma grande vantagem, apesar de para isso ter que enfrentar, durante a viagem de caminhão, o cansaço, a saudade de casa e os problemas das rodovias brasileiras.

Apesar desses contratempos comuns na vida de qualquer caminhoneiro, existem diferentes formas de fazer com que as viagens sejam mais cômodas e seguras. Com isso, se evita situações de perigo, como assaltos e acidentes nas estradas e garante-se que o caminhoneiro voltará em segurança para a sua família após o trabalho.

Sendo assim, quer saber como melhorar uma viagem de caminhão pelas rodovias brasileiras? Então, é simples. Siga com a leitura desse artigo até o seu final e conheça 5 dicas valiosas de como fazer uma viagem segura em 2020. Tenha uma boa leitura. 

5 dicas para fazer uma viagem de caminhão segura

5 dicas para fazer uma viagem de caminhão segura

A carga já está arrumada no caminhão e você está se aprontando para partir em mais uma viagem de caminhão? Então, aproveite para otimizar a sua preparação para a viagem conhecendo 6 dicas que vão fazer a sua viagem ser muito mais segura. Acompanhe abaixo: 

1 – Planeje a sua rota

Planeje a sua rota

O primeiro passo que sempre deve ser tomado antes de cair na estrada para mais uma viagem de caminhão é conhecer toda a rota que será percorrida. É fundamental fazer esse estudo prévio sobre o percurso que será andado, isso porque, como não é novidade para ninguém, diversas rodovias brasileiras possuem uma sinalização precária e se encontram em um estado de conservação ruim. 

A desorganização da malha rodoviária brasileira também atrapalha os caminhoneiros, uma vez que existem diversos locais sem pontos de parada adequados e com uma alta taxa de criminalidade. Dessa forma, o motorista sempre deve saber exatamente alguns tópicos, como a distância que vai percorrer, pontos de parada, restaurantes, postos de combustível, entre outras coisas.   

Além disso, também é preciso se atentar a zonas com risco de deslizamento, com a presença de muitos animais na pista e nunca se esquecer da documentação pessoal e do veículo. Assim, antes de dar partida no caminhão,é necessário conhecer o que será enfrentado na estrada. 

Check List do caminhoneiro

Como planejar a rota? 

A partir das dicas apresentadas no tópico anterior, você pode ter dúvidas de como realizar esse planejamento da viagem de caminhão, mas fique tranquilo, pois é algo simples. Obviamente, a primeira coisa que vai contar nessa etapa anterior a viagem é a experiência do caminhoneiro e o conhecimento adquirido sobre os caminhos, além de avisos recebidas de outros colegas. 

Apesar disso, atualmente, uma possível falta de experiência ou conhecimento sobre determinado percurso pode ser suprimida com o auxílio de algumas ferramentas. Programas como o Google Maps e o Waze indicam desde as localizações de postos de combustível, restaurantes e pedágios, até as condições do trânsito e das pistas, compartilhadas pelos próprios usuários em tempo real. 

Também podem ser utilizadas como fontes de informação os sites das concessionárias das rodovias, informes da polícia rodoviária, entre outras possibilidades. Com essa pesquisa em mãos, será possível antecipar o valor gasto, reservando algum recurso para uma possível emergência e também previsionar as paradas que serão realizadas.  

2 – Manutenção preventiva no caminhão

Manutenção preventiva no caminhão

Outra tarefa importante de ser realizada antes de pensar em cair na estrada para mais uma viagem de caminhão é realizar a manutenção preventiva do veículo. Para isso, diversos itens devem ser checados no caminhão. Para isso, preparamos um checklist das coisas mais importantes que devem ser levadas em conta nessa hora:

  • Faróis funcionando corretamente;
  • Pneus calibrados e em bom estado;
  • Revisão do motor com com óleo e nível da água do radiador em dia;
  • Verificação da presença e estado dos equipamentos de porte obrigatório, principalmente, estepe, macaco, triângulo e chave de roda;
  • Checagem da funcionalidade dos limpadores de parabrisa e luzes do veículo.

3 – Organização da cabine

Organização da cabine

Para que a viagem de caminhão seja mais confortável, também deve ser levado em conta a questão da limpeza da cabine. Como é nesse local que o caminhoneiro irá passar a maior parte dos seus dias, é preciso manter o ambiente em condições de uso, pois para o bem ou para o mal, o que for realizado nesse espaço, será sentido durante a viagem toda.

Diante desse cenário, evite, principalmente, fazer as refeições na cabine e acumular muito lixo no local. Além disso, higienize corretamente itens como os bancos, maçanetas, painel, tapetes e filtro da cabine, garantindo um local de melhor qualidade para enfrentar os quilômetros pelas rodovias. 

4 – Repouso contínuo 

Repouso contínuo

Realizar viagens de longa duração exige que os motoristas reservem espaços de tempo para o descanso. Desta maneira, o recomendado é de que a cada 3 horas dirigindo, os caminhoneiros façam uma pequena parada de até 20 minutos para descansar e se alimentar. 

Isso é necessário porque quem acaba encarando muito tempo na estrada sem parar, fica sujeito ao fenômeno da “hipnose rodoviária”, onde mantém de olhos abertos, mas sem percepção da realidade à sua volta, sendo um possível causador de um acidente. Também é preciso ter boas noites de sona, uma vez que o sono e o cansaço são dois grandes inimigos de qualquer caminhoneiro.  

5 – Utilize a tecnologia a seu favor 

Assim como já mencionado anteriormente, as novas tecnologias têm se transformado em uma grande aliada dos motoristas durante uma viagem de caminhão. Já existem diversos aplicativos para os celulares smartphones que agregam conhecimento e informações para facilitar as viagens.

Para te ajudar, separamos alguns “apps” que podem agregar durante as suas viagens:

  1. Drive Awake;
  2. AccuWeather;
  3. Carrorama;
  4. Gasspass;
  5. Carteira Digital de Trânsito;
  6. iCare;
  7. Beba Água – Water Drink Reminder;
  8. Spotify. 

Conclusão 

Além de todas as dicas apresentadas durante esse artigo de como é possível melhorar uma viagem de caminhão, também é preciso sempre levar em conta o bom senso e adaptar a sua rotina de viagem conforme as necessidades que forem surgindo. Além disso, sempre precisar é só contar com o Caminhões e Carretas. É só clicar aqui e ter acesso às melhores informações do setor. 

Infográfico: o que todo caminhoneiro precisa ter dentro do seu caminhão

Conteúdo Originalmente postado em: Viagem de caminhão: Como fazer uma viagem segura em 2020.

Viagem de Longa Distância: Como o caminhoneiro deve se preparar

Se você já é um caminhoneiro de longa data, com certeza, já enfrentou uma viagem longa distância e sentiu na pele as dificuldades de ficar tanto tempo na estrada. Ou, mesmo que você nunca tenha passado por essa situação, imagine como seria atravessar o Brasil do Oiapoque ao Chuí de uma única vez. Complicado, não é mesmo?

Sendo assim, é preciso estar preparado em todos os aspectos para conseguir enfrentar essa “maratona” com seu caminhão e chegar ao destino final com segurança e sem nenhum dano à carga. Além disso, também é necessário estar precavido de possíveis problemas que possam surgir ao longo do caminho, se antecipando aos imprevistos.    

Diante desse cenário, quer saber o que é preciso para se realizar uma viagem longa distância de caminhão? Então, siga com a sua leitura e saiba como maximizar a sua viagem, otimizando o tempo e os recursos gastos.  

Como se preparar para uma viagem longa distância de caminhão? 

Você não precisa se desesperar se surgir um serviço de transporte de carga de longa distância. Basta seguir as 7 dicas abaixo que o seu percurso será mais confortável e seguro. Confira!

1 – Planejamento

Planejamento

A primeira e, provavelmente, a dica mais importante para que uma viagem de longa distância ocorra de forma tranquila é fazer um planejamento da de toda a viagem. Isso porque, apesar de a experiência contar no momento de realizar os transportes, em distâncias maiores, se torna maior as chances de desconhecimento do trajeto.

Dessa forma, é preciso conhecer aprofundadamente a rota que será percorrida, determinando quais as melhores rodovias a serem percorridas, locais de parada, além de pontos que devem ser evitados pelos altos índices de criminalidade, por exemplo. Não realizar esse estudo prévio pode acarretar sérias consequências para os caminhoneiros.

A notada logo de cara é o prejuízo financeiro, uma vez que com o desperdício de tempo na estrada ocorre atrasos nas entregas, impossibilitando novos serviços. Além disso, a integridade do próprio condutor passa a ficar em risco, sendo que para compensar o tempo perdido, o motorista dirige mais horas no dia, inclusive no momento que era para o descanso, levando a uma direção perigosa que pode gerar acidentes na pista. 

2 – Inspeção geral no caminhão

Inspeção geral no caminhão

Outra medida que deve ser tomada para que seja realizada uma viagem longa distância com  segurança é a realização de uma revisão completa no caminhão. Como se vai passar muito tempo na estrada é necessário ter a certeza de que tudo está em pleno funcionamento e que os itens obrigatórios de segurança, como o extintor de incêndio, por exemplo, também estão funcionando.

Assim, a verificação deve passar desde a checagem do estado dos pneus e estepe até a conferência do nível dos fluidos do caminhão. A parte elétrica também deve ganhar uma atenção especial para garantir que não ocorra nenhuma pane durante o percursos que será percorrido. Também não pode ser esquecida a limpeza da cabine, pois uma viagem em um ambiente organizado é bem mais confortável. 

Ebook de 10 dicas para vender seu caminnhão

3 – Mantenha a postura

Mantenha a postura

Talvez você pense que esse seja uma preocupação supérflua em comparação com as outras já apresentadas até aqui, mas se atentar à postura em uma viagem longa distância é primordial para que o caminhoneiro chegue ao final do percurso “inteiro”. Ficar diversas horas na mesma posição, realizando os mesmo movimentos, pode trazer problemas para todo o corpo, principalmente para as mãos, punhos, braços e coluna.

Diante disso, certifique-se sempre de ficar em uma posição confortável, com facilidade de movimentar os pedais e câmbio, mas que também não fique demasiadamente relaxado, pois isso pode sobrecarregar algum membro. Leva em conta também a média de realizar uma parada de 20 minutos para descanso a cada 3 horas de viagem. 

4 – Confira a documentação do veículo 

Viagem de Longa Distância: Como o caminhoneiro deve se preparar

Para realizar um frete longo, assim como em qualquer outro serviço de transporte de carga, também é preciso ter máxima atenção com a documentação do veículo, da carga e habilitação, claro. Isso porque em caso de qualquer fiscalização na estrada, tanto policial quanto fazendária, você não encontrará problemas e seguirá tranquilo.

Tenha algo em mente: Jamais rode com documentação irregular, pois passa a correr sérios riscos de ser multado e ter o veículo e a mercadoria apreendidos. Conferir nunca é demais nesses casos. 

5 – Tenha uma boa alimentação

Tenha uma boa alimentação

A alimentação durante uma viagem longa distância também deve ganhar uma atenção especial dos motoristas. Fazer refeições com alimentos mais pesados pode causar problemas aos condutores, como o aumento da sensação de sono e diminuição do bem estar durante o percurso.

Portanto, busque ter uma dieta balanceada durante a realização do transporte, combinado porções de proteínas e carboidratos com as doses correspondentes de vitaminas e nutrientes. Isso refletirá positivamente no seu corpo e também, porque não, no seu bolso. 

6 – Tenha total conhecimento sobre a carga que está transportando 

Tenha total conhecimento sobre a carga que está transportando

Todos os caminhoneiros já sabem, ou devem saber, que cada tipo de carga que é transportada precisa seguir as suas especificações para não ficar sujeita a multa e até mesmo apreensões. Por exemplo, para o frete de cargas vivas, inflamáveis ou refrigeradas, existem protocolos diferentes e detalhados com o que deve ser feito. 

Além desse aspecto, também é necessário assegurar que não existe nada de ilegal sendo transportado,evitando que problemas futuros possam ocorrer. Os detalhes logísticos da entrega também devem ser de total conhecimento do motorista quando partir para a viagem, como horário e local disponíveis para carga e descarga e nota fiscal dos itens que estão sendo transportados.  

7 – Combata o tédio

 Combata o tédio

Uma última dica para que a sua viagem longa distância ocorra de uma forma melhor é buscar formas de eliminar o tédio na estrada, mas sem também perder o foco na direção. Sendo assim, tenha o rádio como uma companhia, por exemplo, ouvindo as suas músicas prediletas enquanto dirige. 

Conclusão 

Em suma, as dicas apresentadas nesse artigo, apesar de ser ainda mais necessária em viagem longa distância, também devem ser aplicadas em outros tipos frete, uma vez que buscam facilitar a vida dos motoristas durante o serviço. Assim, aproveite para compartilhar esse conteúdo com os amigos nas redes sociais e dividir com eles o que aprendeu aqui. 
E não perca nossos outros conteúdos do nosso Blog.

Infográfico: o que todo caminhoneiro precisa ter dentro do seu caminhão

Conteúdo Originalmente postado em: Viagem de Longa Distância: Como o caminhoneiro deve se preparar.

Calibrar pneu de caminhão: Leia tudo sobre o assunto

Você calibra os pneus do seu caminhão com que frequência? Somente quando percebe que estão muito vazios ou possui uma frequência de calibragem? É costumeiro encontrar motoristas que esquecem de calibrar pneu de caminhão ou, simplesmente, consideram essa tarefa secundária e sempre deixando para depois. 

No entanto, calibrar pneu de caminhão de forma correta é fundamental para manter a segurança durante a realização de um frete, além de conservar o próprio veículo. Assim, não realizar essa tarefa de manutenção no seu companheiro de estrada pode acabar tendo consequências mais sérias, como até acidentes fatais.

Então, para te ajudar a entender um pouco mais sobre o mundo da calibragem dos pesados, nós preparamos um artigo com tudo o que você precisa saber sobre o tema. è só seguir com a leitura até o final e saber mais. 

Quando calibrar os pneus?

Calibrar pneu de caminhão: Leia tudo sobre o assunto

Essa talvez seja a pergunta que os motoristas mais se fazem em relação aos pneus de um caminhão. Sendo assim, o que deve ser feito, de início, é checar constantemente a condição dos pneus, ficando a atento a aparência que o mesmo apresenta. Em caso de demonstração de esvaziamento, deve ser feita a calibragem com urgência. 

Apesar de essa tarefa parecer simples, nem sempre esse “sintoma” fica tão claro para ser notado. Com isso, para evitar que problemas aconteçam durante a realização de algum serviço, o recomendado é que seja feita a calibragem dos pneus a cada 15 dias ou antes de alguma viagem de maior distância.   

Problemas na calibragem

Problemas na calibragem

Se a calibragem não for realizada de forma correta, pode gerar dois tipos de situações básicas nos pneus: a alta pressão interna e a baixa pressão interna. Confira abaixo uma breve explicação sobre cada uma delas:

  • Alta pressão: Uma primeira coisa que pode ocorrer é o pneu ficar com uma pressão maior do que ele foi planejado para ter. Esse excesso acaba modificando a região de contato do pneu com o chão, gerando uma deterioração acelerada no meio da banda de rodagem. Desta maneira, o pneu fica vulnerável a cortes e furos, além de causar um desconforto ao dirigir.
  • Baixa pressão: Como você já pode imaginar, ao contrário da alta pressão, a baixa pressão nada mais é do que a ausência de ar dentro do pneu. Assim, a amplitude do pneu será alterada, gerando uma deterioração acentuada da banda na área dos ombros, o que reduz sua vida útil e aumenta o consumo de combustível. Também pode gerar o desprendimento de peças e o superaquecimento do caminhão.  

Nitrogênio x Ar comprimido

Nitrogênio x Ar comprimido

Para calibrar pneu de caminhão existem duas opções básicas que podem ser usadas, o ar comprimido e o nitrogênio. Em geral, o ar comprimido é mais fácil de ser encontrado, estando disponível na maioria dos postos de combustíveis espalhados pelo Brasil a fora. Apesar disso, esse gás mantém a pressão do pneu regulado por um tempo menor.  

Em contrapartida, o nitrogênio é mais encontrado para ser usado nessa tarefa, estando disponível, normalmente, apenas em oficinas especializadas. Mas, a sua vantagem em relação ao ar comprimido convencional é que ele consegue manter a pressão do pneu regulada por mais tempo. Assim, ocorre um desgaste menor do pneu e o tempo necessário para a inspeção da regulagem pode ser mais espaçado. 

Mas, fique ligado, os dois gases nunca podem ser misturados no momento da calibragem. Dessa forma, para realizar a substituição de um pelo outro é necessário esvaziar totalmente os pneus, tomando cuidado para não avariar as laterais por conta do peso do caminhão.

Ebook de 10 dicas para vender seu caminnhão

O estepe deve ser calibrado constantemente?

O estepe deve ser calibrado constantemente?

Seja em um frete rápido ou de longa distância, nunca se sabe quando pode acontecer um problema e, por acaso, um pneu furar. Por isso,é preciso sempre contar com um estepe em condições de uso no caminhão. Por isso, a cada 7 ou 15 dias, calibre o estepe com duas libras a mais que o recomendado, pois ele ficará armazenado no compartimento e pode esvaziar.

Também é recomendado para os caminhoneiros que o pneu do estepe seja da mesma marca dos que estão sendo utilizados. Isso evitará problemas de estabilidade na condução do veículo.

Riscos de não calibrar pneu de caminhão 

Riscos de não calibrar pneu de caminhão

Você já compreendeu a importância de calibrar pneu de caminhão? Para deixar ainda mais claro que essa é uma necessidade latente, reunimos abaixo os principais riscos de não fazer o processo de calibragem. Confira.

1 – Aquaplanagem

Aquaplanagem

Devido ao extenso tamanho das rodovias espalhadas pelo Brasil, não é difícil que durante um trajeto você saia de um de um local com sol e pegue pontos com chuva na viagem. Dessa forma, isso é algo extremamente rotineiro no dia a dia das pessoas que passam a vida nas estradas. 

Diante disso, temos um primeiro problema de não calibrar pneu do caminhão é que pode gerar: a aquaplanagem. Quando ocorre a combinação de muita água entre o pneu e o asfalto, a falta de calibragem do pneu impede que os sulcos existentes exerçam sua função e afastem o líquido, formando uma película de água que desencadeia o problema

2 – Maior consumo de combustível

Maior consumo de combustível

Com a constante variação no preço do diesel, os motoristas que desejam realmente economizar, principalmente aqueles que trabalham de forma autônoma, devem sempre  calibrar pneu de caminhão. Isso porque o simples fato de não mantê-los calibrados já aumenta o consumo do combustível.

Sendo assim, se você deseja ter um maior lucro durante os seus fretes, sempre se atente a condição dos pneus antes de cair na estrada. 

3 – Danos aos pneus e a viagem

Danos aos pneus e a viagem

Projetado para ser utilizado sobre circunstâncias específicas, os pneus quando são expostos a situações adversas tendem a serem mais suscetíveis a danos. Desta maneira, ao descuidar da calibragem dos pneus, um motorista corre o risco de ter rasgos, furos e a perda da borracha que cobre o pneu.

Entenda que o desgaste do pneu com o tempo é algo natural, mas com a descalibragem fica ainda maior. Com isso, a direção se torna algo pesado e desconfortável.  

Conclusão 

Como você pode perceber, calibrar pneu de caminhão é fundamental para que as viagens realizadas sejam mais seguras e otimizadas. Enfim, para saber mais sobre esse e outros assuntos, basta clicar aqui

Check List do caminhoneiro

Conteúdo Originalmente postado em: Calibrar pneu de caminhão: Leia tudo sobre o assunto.

Frete 2.0: O que é e como funciona?

O avanço do desenvolvimento das tecnologias tem impactado diretamente diversos setores, transformando rotinas de trabalho e ressignificando diversas práticas. Como não seria diferente, o setor de transporte de cargas e mercadorias também foi modificado com a entrada de novas tecnologias, chegando a existir atualmente o chamado frete 2.0. 

Com isso, todos os processos que envolvem a gestão do frete passam a sofrer influência da carga 2.0, passando a ser informatizados e mais eficientes. Dessa forma, a organização que adota essa nova política de gestão, executando corretamente as demandas, ganha uma série de vantagens competitivas em relação a concorrência.

Sendo assim, quer saber um pouco mais sobre o que é e como funciona o frete 2.0? É muito fácil. Siga com a leitura e descubra tudo sobre o tema e como essa prática pode se tornar uma grande aliada do seu negócio.    

O que é frete 2.0?

O que é frete 2.0?

Assim como você já pode imaginar, o e-frete, como também é conhecido esse tipo de transporte, recebe esse nome pois está relacionado a um sistema de entregas digital ou que faz uso de alguma tecnologia inteligente em praticamente todas as suas ações. Desta maneira, os processos são todos digitalizados e ocorrem através da internet por meio de plataformas especializadas.

Com essas aplicações, a organização passa a ter um maior controle sobre o frete que está sendo realizado, tendo informações quase que em tempo real sobre o que está acontecendo. Com isso, se eleva a qualidade do serviço prestado aos clientes e traz uma maior segurança para que as entregas cheguem ao seus destinos corretamente. 

Diferença entre o frete 2.0 e o frete convencional 

Diferença entre o frete 2.0 e o frete convencional

Como mencionado no tópico anterior, a principal mudança e, por consequência, diferença do frete 2.0 para o frete convencional é a forma com que ele é realizado e os meios que são utilizados para fazer os processos. Ou seja, em uma forma mais explícita, o e-frete ocorre via internet e plataformas digitais, enquanto o convencional não.

Além dessa mudança, em relação ao frete comum, o e-frete conta com menos atores envolvidos durante todos os processos. Então, na prática, através dessa nova forma de se realizar transporte de mercadorias, uma organização pode se conectar em um sistema com um motorista autônomo que se disponibiliza realizar o trabalho.

No frete convencional, no entanto, a empresa necessitará de uma equipe interna de transporte de cargas ou realizar a contratação de um empresa terceirizada para fazer a realização do serviço, o que gera um custo maior para o negócio.  

Infográfico: o que todo caminhoneiro precisa ter dentro do seu caminhão

Tipos de frete

Tipos de frete

Chegou o momento de conhecer mais um pouco sobre os tipos de frete existentes e como o e-frete tem se encaixado e, por ventura, transformado essa relações de transporte: 

  • Normal – O primeiro e um dos mais comuns modelos de frete até os dias atuais, é o frete que se baseia no contato entre contratante e contratado, sem a presença de nenhum terceiro para realizar qualquer parte do transporte. Ou seja, nesses casos, as empresas possuem uma equipe de entrega interna que faz a retirada da mercadoria comprada no remetente, a própria empresa, e entrega diretamente para o seu destinatário final.  
  • Subcontratação – Nesse outro sistema de frete, ocorre a contratação de terceiros para fazer a realização da entrega da mercadoria que foi comprada. Sendo assim, as organizações podem contratar desde transportadoras pequenas ou grandes para fazer o serviço, dependendo da área de abrangência que as entregas podem chegar. Nesse tipo de serviço também se encaixa o e-frete, pois através de uma plataforma específica a empresa também fará a contratação de um motorista para fazer a entrega das suas mercadorias. Então, nesse modelo, independente se através de uma transportadora ou de motorista autônomo, ocorrerá uma subcontratação de um serviço de transporte. 
  • Redespacho – Uma terceira modalidade de frete possível é conhecida como redespacho, pois envolve a participação de duas transportadoras diferentes. Nesses casos, uma das transportadoras contratadas fica responsável por transportar a carga até um determinado ponto combinado previamente e a outra fica responsável em levar a mercadoria até o seu destino destino final, entregando o produto diretamente para o comprador. Comumente, quando existe a contratação de duas empresas para realizar o transporte, uma fica a cargo do cliente que comprou a mercadoria e a outra pela empresa que despachou o produto.  

Vantagens do frete 2.0

Vantagens do frete 2.0

Talvez você se esteja perguntando nesse momento: entendi que o e-frete é mais moderno que o frete convencional, mas como ele pode trazer benefícios para a minha empresa na prática? É isso que vamos te mostrar agora. Veja abaixo 3 benefícios do e-frete:

1. Automatização de processos

Automatização de processos

Através da utilização de sistemas digitais, todo o processo de gestão do frete passa a ser automatizado e digitalizado. Dessa forma, passa a existir uma menor burocratização do regime utilizado e, por consequência, um menor acúmulo de papel impresso, gerando um maior organização.

Além disso, através das plataformas inteligentes utilizadas, é possível coletar todos os dados possíveis referente às entregas. Isso é fundamental no processo de melhoria constante do serviço.

2. Acompanhamento ao vivo dos processos 

Acompanhamento ao vivo dos processos

Um dos principais benefícios do e-frete é a disponibilização de dados e informações sobre o transporte em tempo real. Sendo assim, durante a entrega é possível acompanhar o que está acontecendo e encontrar algum ponto de mudança que facilitará o serviço que está sendo realizado. 

A partir dessa novidade, as empresas têm maior segurança e controle da qualidade do serviço, podendo atuar sempre com assertividade.  

3. Diminuição da perda de tempo

Diminuição da perda de tempo

Com a digitalização de todo o processo, o tempo de trabalho dos funcionários de uma empresa passa a ser melhor gerenciado. Isso porque o trabalhador não precisará mais se dedicar a tarefas meramente burocráticas e massantes.  

Como o processo é todo digitalizado, o tempo, que é um recurso escasso, também passa a ser melhor gerenciado. Isso porque o colaborador que cuida dessa função terá mais tempo para se dedicar à funções menos burocráticas e massantes. 

Conclusão

De uma forma geral, o frete 2.0 consegue agregar desde uma maior velocidade até na segurança em um transporte de carga. No entanto, isso não significa que só esse modelo deve ser usado. É preciso analisar a realidade de cada empresa para definir qual o tipo certo de frete a ser usado. 

Check List do caminhoneiro

Conteúdo Originalmente postado em: Frete 2.0: O que é e como funciona?.

Frete FOB e Frete CIF: Entenda as diferenças

A modalidade de compra online de mercadorias tem crescido a cada ano no Brasil, gerando, por consequência, uma alta demanda de entregas. Com isso, também começaram a surgir diversas possibilidades de realizar esse serviço, como o frete FOB e Frete CIF, por exemplo.

Para saber qual das opções é mais vantajosa no momento é necessário levar em conta muito mais do que apenas o valor do serviço, como também as condições de pagamento, qualidade do serviço, prestígio da empresa contratada, entre outros aspectos. Além disso, também é necessário pensar e definir qual a parte que ficará responsável pelos custos e responsabilidades sobre os riscos do transporte.

Sendo assim, continue acompanhando este artigo até o final e entenda as diferenças entre  frete FOB e Frete CIF, como eles interferem no transporte das cargas, além de outros tópicos que envolvem o frete FOB e Frete CIF e que podem interferir no processo. 

O que é frete FOB?

O que é frete FOB?

A primeira modalidade de frete que vamos apresentar nesse artigo é o chamado Frete FOB. Essa nomenclatura surge da abreviação da sigla inglesa “free on board”, que em uma tradução literal para o portuguê significa “livre a bordo”. Assim, nessa modalidade transporte é o comprador que assume a total responsabilidade pela mercadoria e arca com os custos.

Ou seja, a obrigação do vendedor termina no momento em que os itens são despachados para o seu destino. Dessa forma, essa alternativa se torna mais favorável para os vendedores. Por conta dessa característica, essa modalidade é mais comum em entregas do tipo business to business (B2B), ainda mais quando se trata de cargas de alto valor agregado ou que, por ventura, tenham um valor de frete alto.

Sendo assim, é costumeiro que empresas que compram itens de diversas outras organizações já contêm com a parceria de transportadoras ou caminhoneiros para coletar as mercadorias nos fornecedores. 

O que é Frete CIF? 

Outra modalidade de entrega comumente usada é o Frete CIF. Assim como a origem do nome do Frete FOB, o termo CIF também vem do inglês, significando “cost, insurance and freight” ou “custo, seguro e frete” em português. Com isso, o Frete CIF significa nada mais do que um tipo de contrato de transporte internacional entre um comprador e um vendedor. 

Além desse aspecto, nesse tipo de entrega, diferente do Frete FOB, o responsável pelo produto que está sendo enviado e por arcar com os custos é a empresa fornecedora, ou seja, quem está enviando. Desta maneira, os gastos com o transporte já são pagos na origem da rota de envio, o que atrai mais as pessoas físicas que não precisaram lidar com os detalhes burocráticos do processo. 

Devido a essa maior facilidade para o consumidor, esse modelo de frete é muito utilizado em e-commerces. Isso levando em conta, principalmente, a complexidade que é organizar diferentes frete FOB de uma vez. Nesse caso, com o Frete CIF, o cliente paga tudo de uma vez, tanto pela mercadoria como pelo frete. 

Check List do caminhoneiro

Quando usar cada frete?

Quando usar cada frete?

Como já mencionado anteriormente, as duas modalidades, Frete FOB e Frete CIF, possuem diferenças básicas que fazem o seu uso ser mais adequado para determinada ação do que outras. Assim, quando se trabalha diretamente com o consumidor final que não tem prática com o transporte de mercadorias, o ideal é fazer uso do Frete CIF, mesmo que o valor fique um pouco maior.

Isso porque a empresa garante que o produto chegará íntegro até o seu destino, aumentando as chances de recompra do cliente. Por outro lado, quando o destino é uma outra empresa, se tornam maiores as chances de que ela conheça os mecanismos envolvidos no transporte e já tenha contato com alguma transportadora, levando o Frete FOB a ser a melhor opção.   

Custos de cada frete

Baseado no que foi apresentado até aqui, é chegado o momento de entender um pouco mais sobre a questão dos custos de cada tipo de entrega. No caso do Frete CIF, por exemplo, como o valor da entrega já é considerada no preço total da mercadoria, no que se refere ao ICMS, o fornecedor tem a possibilidade de indicar que o frete é CIF e especificá-lo na nota fiscal ou fazer a cobrança de forma separada, incluindo a informação em um campo próprio para isso na nota fiscal.

Já em relação ao Frete FOB, que é um modelo de entrega contratado pelo comprador à parte, o seu valor não é especificado na NF, justamente por ser de responsabilidade de quem comprou a mercadoria. Independente disso, e do modelo de frete escolhido, ele terá o seu valor somado ao valor da nota fiscal e será considerado para os cálculos de ICMS, IPI, PIS e COFINS.

Segurança e responsabilidades

Segurança e responsabilidades

A responsabilidade sobre a segurança das mercadorias também varia de acordo com o Frete FOB e Frete CIF. Como mencionado, a empresa fornecedora tem responsabilidade sobre a entrega somente quando for solicitado o Frete CIF, sendo dever dela gerir todo o processo de frete. 

Já no caso do frete FOB, os possíveis problemas que possam vir acontecer são assumidos pelo cliente, assim como os custos de transporte. A responsabilidade se inicia no momento em que a carga é embarcada, até o momento da entrega.

Diferenças entre frete FOB e frete CIF

Diferenças entre frete FOB e frete CIF

Para facilitar o seu entendimento de uma vez por todas sobre as diferenças entre o Frete FOB e Frete CIF, veja abaixo uma tabela comparativa entre as modalidades de entrega: 

Frete CIF Frete FOB
Significado Cost, Insurance and Freight (Custo, Seguro e Frete) Free on Board (Livre a Bordo)
O que é  Tipo de contrato de transporte internacional entre um comprador e um vendedor. Tipo de contrato de transporte.
Responsável pelo custos Empresa Fornecedora. Clientes.
Responsável pelo produto Empresa Fornecedora. Clientes.
Considerado como mercadoria entregue Quando estão em posse do comprador final. Quando são colocados para a entrega.

Conclusão

Em suma, para escolher o melhor tipo de frete para ser usado, seja Frete FOB e Frete CIF, é preciso levar em conta diversos aspectos. Assim, será possível encontrar o melhor formato de entrega para conseguir receber as mercadorias. 
Gostou do artigo ? Então não deixe de ler os outros do nosso blog.

Ebook de 10 dicas para vender seu caminnhão

Conteúdo Originalmente postado em: Frete FOB e Frete CIF: Entenda as diferenças.

EPI para transporte de produtos perigosos: o que você precisa saber

Em toda profissão que coloca em risco a segurança e saúde do trabalhador, existe a necessidade da utilização de EPI (Equipamento de Proteção Individual). Assim como nas indústrias siderúrgicas ou metalúrgicas, onde há um procedimento de segurança a ser feito pelos profissionais, os caminhoneiros que trabalham com transporte de produtos perigosos também são expostos a alguns riscos e precisam ter alguns cuidados específicos.

Se você tem dúvidas sobre os procedimentos que precisam ser adotados na utilização de EPI para transporte de produtos perigosos, nós vamos te ajudar a simplificar o processo!

O que é considerado uma carga perigosa?

O que é considerado uma carga perigosa?

Uma carga perigosa é aquela que contém gases comprimidos, inflamáveis, oxidantes ou materiais que sejam infecciosos, radioativos, inflamáveis, corrosivos ou poluentes. Uma das preocupações é que esse tipo de carga, se não for transportado de maneira correta, pode causar risco aos trabalhadores, às instalações físicas e até ao meio ambiente.

Basicamente essas cargas, só por sua natureza, já podem danificar outras cargas ou mesmo provocar acidentes. Por isso, é importante se atentar nos cuidados para evitar problemas.

O que diz a legislação sobre EPI para transporte de produtos perigosos

O que diz a legislação sobre EPI para transporte de produtos perigosos

A Norma Brasileira de número 9735 foi criada para garantir a segurança dos profissionais que são colocados em determinado risco ao fazer o transporte de produtos perigosos. A partir desta norma, foi determinada a utilização dos dispositivos de segurança – EPI para transporte de produtos perigosos, além da sinalização de segurança nos veículos, a identificação, o acondicionamento, a etiquetagem e documentação, além de extintor de incêndio portátil como instrumento obrigatório.

Outro ponto fundamental, além dos cuidados com os equipamentos de proteção, diz sobre a importância do caminhoneiro ser capacitado através de cursos e treinamentos para saber realizar e condução e o transporte de maneira segura dos produtos perigosos.

A obrigatoriedade do uso de EPI para transporte de produtos perigosos para motorista de caminhão está totalmente relacionado aos riscos que o caminhoneiro é exposto. Por isso, duas normas tratam sobre a utilização desses equipamentos pelos trabalhadores, a primeira é a Norma Regulamentadora nº 6 do Ministério do Trabalho, onde estão estabelecidos critérios para a definição dos EPIs que devem ser usados, conforme os riscos da atividade.

A outra norma é a Circular ABNT nº 9735/2016, específica para o transporte terrestre de produtos perigosos, que indica além da obrigatoriedade do EPI, os dispositivos de sinalização da área de um acidente.

Infográfico: o que todo caminhoneiro precisa ter dentro do seu caminhão

EPIs fundamentais para o transporte de produtos perigosos

EPIs fundamentais para o transporte de produtos perigosos

Apesar de garantir a segurança contra possíveis acidentes ou lesões, é importante se certificar sobre a qualidade dos equipamentos EPI para transporte de produtos perigosos, para que de fato ele proteja o trabalhador. Por isso, as atividades devem ser feitas somente após comprovação de qualidade e caso o equipamento possua o Certificado de Aprovação – CA. Isso garante a procedência do item e comprova que ele foi testado antes de ir para venda.

Mas afinal, quais são os EPIs indispensáveis para os caminhoneiros? Dependendo do risco em que o caminhoneiro é exposto, os equipamentos abaixo são mais indicados. Confira!

Luva de raspa

Luva de raspa

Usar luvas pode não ser a coisa mais confortável do mundo, mas é indispensável para garantir a segurança do funcionário, por isso deve ser utilizada sempre que for inspecionar uma carga perigosa de origem de produtos químicos ou cortantes. As luvas de raspa são importantes itens de EPI para transporte de produtos perigosos, pois são mais grossas e resistentes.

Outra vantagem da utilização da luva de raspa é o conforto que proporciona caso o motorista necessite fazer qualquer manutenção no caminhão e até mesmo uma troca de pneu.

Colete de sinalização

Colete de sinalização

O famoso colete luminoso é fundamental para qualquer motorista que queira se prevenir de qualquer situação que ocorra à noite. É também um EPI muito importante para quando o motorista desça do veículo. Imagina parar em uma rodovia devido a qualquer pane ou acidente e não ter um colete que mostre de forma luminosa para que o motorista seja visto por outras pessoas, já que o acessório reflete a luz dos faróis e evita acidentes.

Capacete

Capacete

Um EPI importante que deve ser utilizado durante as operações de carga e descarga. Não tem como negar: o capacete é um item que protege a cabeça de forma eficiente contra queda de objetos e por trabalhar com movimentação das cargas, é importante se prevenir para que nada despenque sobre o funcionário.

Bota com bico de aço

Bota com bico de aço

Ninguém está livre também de qualquer objeto que está dentro da carga cair sobre os pés e causar alguma lesão. E pior, a lesão pode ser grave. Seja para trocar um pneu ou movimentar outra carga perigosa, a bota com bico de aço é uma excelente opção de proteção.

Atualmente, você encontra essa opção à venda em um material muito bem desenvolvido, com arremate em policloreto de vinila, diferente dos calçados mais duros e pesados.

Protetor auricular

Não comprometer a audição é um dos fundamentos da utilização dos equipamentos de EPI. O protetor auricular é, sem dúvidas, a melhor forma de se proteger de ruídos e deve ser utilizado em locais onde a audição seja comprometida.

Nas operações de carga e descarga que são feitas em ambientes com alta ruído, é fundamental colocar o protetor auricular. Mas lembre-se de retirá-lo na hora de dirigir, pois ele pode fazer com que o motorista não ouça os sons do trânsito e cause mais problemas.

Óculos de proteção

Proteger os olhos é fundamental, pois essa área do corpo humano é muito sensível e serve como porta de entrada para micro-organismos que causam doenças. Quando você é exposto a agentes químicos, a visão pode ser afetada se não houver cuidado suficiente.

Os óculos de proteção ajudam nisso e são excelentes itens de EPI para transporte de produtos perigosos. Nunca se sabe se a carga inspecionada vai causar qualquer acidente e se contaminará o ar. Agora imagina uma situação dessas sem uma prevenção com a visão? Seria muito pior!

Máscara contra gases tóxicos

Assim como as máscaras são indicadas para ambientes hospitalares e de saúde, da mesma forma os caminhoneiros, se estiverem expostos a bactérias, precisam ser utilizados pelos caminhoneiros. Seu uso é descartado para evitar problemas de contaminação.

Agora que você já sabe como é simples se prevenir de acidentes no trabalho, é só investir em EPI para transporte de produtos perigosos. As atividades profissionais que envolvam qualquer risco, devem ser utilizadas com esses equipamentos. Assim, a empresa fica mais segura e o funcionário também.

Espero que tenham gostado do nosso conteúdo, e se você quer mais acesse nosso Blog.

Ebook de 10 dicas para vender seu caminnhão

Conteúdo Originalmente postado em: EPI para transporte de produtos perigosos: o que você precisa saber.

Pedágio para Caminhão: Como calcular?

Seja você um motorista ou um dono de frete, em qualquer circunstância, provavelmente já bateu aquela dúvida sobre como o cálculo de pedágio para caminhão deve ser feito, quais variáveis você deve considerar e ainda sobre o tipo de veículo para cada caso.

Sendo um tema indispensável para quem trabalha com esse tipo de veículo, nós resolvemos explicar passo a passo sobre como a tarifa é feita e os fatores que influenciam no valor final.

Continue lendo este conteúdo para simplificar o processo do pedágio para caminhão!

Como o valor do pedágio para caminhão é determinado

pedágio para caminhão

Em primeiro passo, você deve ter em mente que os cálculos dos pedágios são feitos a partir da “tarifa quilométrica”, que nada mais é do que um valor fixo por quilômetro, que é multiplicado pelo trecho de cobertura. Mas o que isso significa? Ele varia conforme o trecho da rodovia e o seu tipo de veículo utilizado.

Mas lembre-se: as rodovias são divididas entre estradas de pista dupla, sistema rodoviário e estradas de pista simples.

Além disso, engana-se quem pensa que as viagens mais longas são as mais caras, já que nem sempre é assim. Algumas regiões não possuem cobertura feita por concessórias, dessa forma, é possível percorrer grandes trechos sem encontrar um pedágio.

Para ficar por dentro das especificações das tarifas de acordo com a região e o trecho, vale a pena verificar as informações disponibilizas pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), no site você consegue saber mais sobre a infraestrutura das rodovias brasileiras, assim como os valores específicos para calcular o gasto de uma viagem.

Outros fatores que influenciam nos valores de pedágio para caminhão

Outros fatores que influenciam nos valores de pedágio para caminhão

Como dito anteriormente, um dos fatores é o tipo do veículo que passará pela estrada. Os veículos com 2 eixos pagam o dobro, já os veículos de 3 eixos pagam o triplo, como os caminhões trator. Da mesma forma acontece com os caminhões que possuem 4 eixos (aqueles com reboque).

Quanto mais eixos um caminhão tiver, maior será o valor cobrado nos pedágios. É por isso que o valor dos pedágios gera um conflito entre os donos de frotas e as concessionárias que administram rodovias.

Se não houver um planejamento suficiente com todo o custo feito por um trajeto ou uma viagem de longa distância, o prejuízo pode ser grande no final das contas.

Por que os pedágios para caminhão são importantes?

Por que os pedágios para caminhão são importantes?

Apesar de muitas vezes o valor ser alto, essa ainda é uma forma eficiente que as concessionárias encontram de oferecem para os motoristas em troca do pagamento uma rodovia boa, em condições para uma viagem tranquila, fora o auxílio com equipe à disposição do motorista em caso de eventual emergência por algum problema ou em um acidente.

Os valores ajudam a manter em dia o recapeamento da rodovia, a manutenção e possibilita até que algumas rodovias se expandam. Fora isso, as empresas fiscalizam o tráfego o tempo todo.

É importante ressaltar que, por lei, está determinado o pagamento dos pedágios, onde o não pagamento configura uma infração grave de trânsito determinado no artigo 209 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Ebook de 10 dicas para vender seu caminnhão

Dicas e estratégias para facilitar o cálculo do pedágio para caminhão

Dicas e estratégias para facilitar o cálculo do pedágio para caminhão

A verdade é que por mais que os pedágios sejam importantes, chega uma hora que você pode não dar conta de fazer tantos pagamentos e não ter controle sobre o gasto de um trajeto. Por isso, comece a investir em ferramentas para fazer o cálculo dos gastos em uma rota, assim você evita possíveis surpresas e está preparado para realizar uma viagem tranquilamente, e além de tudo, siga essas dicas que preparamos pra você!

·         Cartões automáticos são excelentes! Já pensou ter que parar o veículo e enfrentar uma fila no pedágio quando você menos pode esperar? Para evitar esse estresse, conte com um cartão que possibilita passar pelo pedágio sem parar na cabine para efetuar o pagamento. Essa também é uma forma de controle sobre as contas no fim do mês.

·         Estude outras rotas, se quiser economizar. Mas tome cuidado! Estudar é importante justamente pela prevenção de você não passar por situações preocupantes. Às vezes, as estradas disponíveis para desvio de pedágio para caminhão estão em situações precárias.

·         Gastar menos com caminhão é possível quando se pensa na gestão de frotas. Não importa o tamanho da frota, tudo exige um planejamento para conseguir atingir os lucros desejados e melhorar o negócio de maneira geral. Por isso, pense na logística do negócio e inclua sempre todos os pedágios nos custos das viagens.

·         Automatize o processo de uma viagem com tecnologia. Utilize algum site que detalhe as rotas, é só colocar as informações sobre destino e paradas que a ferramenta vai mostrar o melhor caminho a ser feito, assim como informações sobre trânsito, condições da via, segurança, etc.

·         Utilize ferramentas também para cálculos de pedágios. Hoje em dia, é possível encontrar inúmeros sites que têm essa função e vão te ajudar com eficiência, como o www.qualp.com.br, o www.rotasbrasil.com.br, entre outros.

·         Além disso, se tiver alguma dúvida sobre os valores, entre em contato com as concessionárias responsáveis pelas vias de passagem do percurso.

·         Se você é um dono de frota, não se esqueça de pensar nos demais custos de uma viagem, isso é importante para administrar melhor as finanças. Entre os custos estão o salário do motorista, seguro obrigatório (DPVAT), impostos, IPVA, ferramentas tecnológicas (rastreamento veicular, etc), manutenção, combustível, pneus, entre outros.

Agora é só pesquisar dentro desses sistemas o valor para sua viagem e os custos com pedágio para caminhão e não se esquecer de montar um planejamento específico para cada rota. Assim, a frota não é comprometida com o custo indesejado e o motorista não é pego de surpresa.

Use a tecnologia ao seu favor e mantenha sempre formas mais fáceis de simplificar o pagamento dos pedágios, como através de cartões automáticos. Dependendo do tipo de carga transportada, é muito vantajoso manter o caminhão sem nenhuma parada e você evita eventuais problemas.

Viu como é simples calcular o pedágio para caminhão? Um bom gestor de frotas e um caminhoneiro sempre se previnem sobre esses e outros custos!

Gostou do nosso conteúdo? Então leia os outros no Blog do CEC.

Infográfico: o que todo caminhoneiro precisa ter dentro do seu caminhão

Conteúdo Originalmente postado em: Pedágio para Caminhão: Como calcular?.

Transporte de alimentos: como realizar de maneira correta

Transportar alimentos pode ser um grande desafio tanto para o produtor dos alimentos como também para o motorista, já que sobram dúvidas sobre a maneira correta deste transporte e faltam conhecimentos específicos sobre a legislação brasileira. Como garantir a segurança do alimento, sem afetar o consumidor final? E ainda assegurar qualidade na matéria-prima e perder a menor quantidade possível durante o trajeto?

É nisso que nós vamos te ajudar!

A carroceria certa para o transporte de alimentos perecíveis

A carroceria certa para o transporte de alimentos perecíveis

Frutas, legumes e verduras são alimentos frágeis que exigem refrigeração para garantir a vida útil do produto e sua qualidade, sem causar nenhum problema de saúde aos consumidores. Por isso é tão importante manter os alimentos na temperatura correta e um baú isolado corretamente.

Uma boa dica é pensar na cadeia do frio destes alimentos, nada mais do que o controle da temperatura do alimento em todo o processo, desde a saída do produtor até a chegada a mesa do consumidor.

A parte logística também deve ser pensada. O veículo deve ser apropriado para garantir que os alimentos mantenham a mesma qualidade. Por isso, a cabine do condutor precisa ser isolada da parte onde estão os alimentos, o veículo precisa estar com o Certificado de Vistoria em dia e possuir boas caixas para o acondicionamento dos alimentos.

O motorista deve se certificar que um tempo a mais de rota sem ser calculada anteriormente pode ser um problema. O ideal é que o veículo circule o tempo necessário e tenha um piso vedado para não ter saída de líquido.

Situações comuns, mas que são erradas para o transporte de alimentos

Situações comuns, mas que são erradas para o transporte de alimentos

O baú isotérmico é um grande engano! Apesar de parecer vantajoso para o transporte de alimentos que precisam de refrigeração, ele funciona como uma garrafa térmica que tem uso limitado, principalmente porque o abre e fecha da porta perde-se a temperatura. Além disso, com a quantidade de entregas ou mesmo com o trânsito das grandes cidades, o baú não consegue manter a qualidade do produto em 100%.

Há ainda o baú comum, que é ainda pior para os alimentos, já que não oferece nenhum tipo de proteção, não é isolado e transmite muita temperatura, acelerando o processo de deterioração do produto.

Check List do caminhoneiro

Regulamentação e legislação brasileira para o transporte de alimentos

Regulamentação e legislação brasileira para o transporte de alimentos

A Secretaria da Vigilância Sanitária possui a Portaria 326, que foi publicada em 1997 e afirma que os veículos devem ser adequados com materiais que proporcionam limpeza, conservação, desinfecção e desinfecção simples e completa.

Há ainda a Resolução 275 da Anvisa, que orienta sobre o transporte de alimentos, tal como a importância de seguir a temperatura indicada no rótulo do alimento, a limpeza e cobertura da carga, assim como mecanismos que fazem um monitoramento da temperatura daquela carga que exige condições especiais.

Transporte de alimentos congelados, como carnes

Transporte de alimentos congelados, como carnes

Diferente do transporte de alimentos perecíveis, os alimentos congelados necessitam de uma temperatura ainda mais severa. A temperatura deve ser apropriada conforme os produtos transportados, sem muitas variações. Além disso, não pode ser superior a -18º C e nem inferior ao que o alimento necessita, por isso o caminhão deve capacidade para manter o congelamento durante todo o percurso.

Um fato positivo que contribui para o total controle da temperatura é o termostato que os caminhões que fazem este tipo de procedimento costumam conter. Para manter o controle sobre a temperatura no transporte de alimento, vale a pena:

·         Verificar a vedação do baú do caminhão.

·         Utilizar um termostato.

·         Evitar vazamentos, sempre olhando antes de sair com a carga.

·         Monitore a temperatura com mecanismos.

Para os produtos congelados de origem animal, a atenção é ainda maior. Por sua vez, quem tende a analisar se o transporte foi feito de maneira correta é o cliente, afinal, ao receber o produto ele checa se o alimento foi transportado corretamente, com a temperatura indicada pela legislação e pelo fabricante. Se, por acaso, houver qualquer variação de temperatura durante o trajeto, é provável que a carga não seja aceita.

A fiscalização da vigilância sanitária é o que mantém uma grande preocupação por parte dos clientes, já que ela analisa constantemente os produtos dos estabelecimentos.

11 dicas fundamentais para preparar o veículo para fazer o transporte de alimentos

11 dicas fundamentais para preparar o veículo para fazer o transporte de alimentos

·         Planeje todas as etapas necessárias para a distribuição dos alimentos transportados, afinal, a entrega dos alimentos tem tudo a ver com a capacidade de venda posteriormente.

·         Caixas e caixotes de madeira são muito utilizados neste tipo de transporte, pois facilitam tanto na organização do espaço como no manuseio da mercadoria, o embarque e desembarque.

·         Escolha um veículo adequado pensando em cada tipo de carga que será enviada. Os alimentos mais simples que não precisam de refrigeração também podem ser transportados em cargas fechadas como forma de precaução.

·         Tome muito cuidado com os alimentos perecíveis, já que requerem cuidado em dobro. Saindo do caminhão, o ideal é que o alimento perecível seja levado para uma câmera fria, para manter a cadeia do frio.

·         Saiba como controlar a temperatura das mercadorias. Exija uma boa estrutura para manter a qualidade dos alimentos e o monitoramento sobre a temperatura.

·         Cuidado com as avarias durante o percurso! É muito comum um cliente se recusar a receber cargas que passaram por um processo de temperaturas oscilando, já que isso pode estragar os alimentos.

·         Trabalhe com regras para todo o processo de carga e descarga. Esse tipo de diretriz é ideal para manter o trabalho em dia, sendo bom para o produtor, como também para os motoristas. O objetivo é garantir mais segurança ao processo.

·         Cuidado com as restrições do transporte de alimentos! Há diferentes tipos de transportes de cargas de alimentos, o ideal é analisar cada produto especificamente, sejam ovos, frutas, grãos, massas, pães, alimentos congelados, carnes e frutos do mar.

·         Não se esqueça de verificar a etiqueta dos produtos, pois geralmente ali contém informações suficientes para um bom transporte. Caso a etiqueta não esteja legível, entre em contato com o produtor e solicite as informações necessárias.

·         Fique atento à validade dos produtos. Só se comprometa em transportar alimentos que possuam uma boa distância entre a data de transporte e a data de validade, afinal, o desafio de transportar produtos prestes a vencer é ainda maior.

·         Para retirar os produtos da carga, se precisar da ajuda de empilhadeiras ou plataformas elevatórias, mantenha atenção sobre o deslocamento dos produtos para evitar perdas e danos às mercadorias.

Apesar de parecer tarefa complicada, é só se atentar no preparo da mercadoria e na adequação do veículo para o transporte. É preciso mais atenção, consciência e boa infraestrutura para evitar a perda dos produtos, que de fato afeta desde a saída do alimento pelo produtor até a qualidade da mercadoria que o consumidor final procura.

Gostou do conteúdo? Então leia os outros no nosso blog.

Infográfico: o que todo caminhoneiro precisa ter dentro do seu caminhão

Conteúdo Originalmente postado em: Transporte de alimentos: como realizar de maneira correta.

Transporte de carga viva: tudo que você precisa saber

Seja de dia ou à noite, o transporte de carga viva acontece sem parar! Das fazendas direto para as estradas, esse tipo de transporte movimenta as rodovias de todo o país e até mesmo no exterior. E não é à toa: o transporte de animais fomenta a economia e gera muitos empregos.

Mas apesar disso, este é, sem dúvidas, um dos transportes mais difíceis para se fazer. Afinal, são muitos cuidados para garantir o bem-estar animal e a segurança durante todo o trajeto realizado, e foi por isso que alguns grupos de ambientalistas exigiram novas regras para garantir que os animais não passem por sofrimentos desnecessários ou acabem feridos.

Por isso, nós separamos algumas dicas fundamentais para ficar em dia com o Conselho Nacional de Trânsito e o Ministério da Agricultura, sem gerar problemas à cerca desse trabalho.

Qual veículo é indicado para o transporte de carga viva?

Qual veículo é indicado para o transporte de carga viva?

Para realizar o transporte de carga viva, é fundamental utilizar um veículo com uma carroceria adequada. As fechadas são aquelas conhecidas como boiadeiras, essas são bem indicadas para a finalidade, já que garantem segurança ao animal e ao mesmo tempo permitem entradas de ar.

Além disso, os caminhões com dois eixos traseiros (truck) ou carretas são bem utilizados para este fim, além dos articulados e biarticulados, com um piso ou dois. Já os containers precisam ser adaptados para atender à determinada carga.

No caso do transporte de animais bovinos, uma das maiores preocupações dos especialistas é sobre o uso das carretas de dois pisos. Esse tipo de veículo se tornou comum, pois reduz o valor do frete por animal transportado. Porém, é necessário pensar que embarcar e desembarcar os animais deste tipo de transporte se torna muito mais complicado. Uma dica para solucionar este problema é utilizar os elevadores, que fazem com que o gado não precise mais andar pela rampa.

Seja qual for o veículo utilizado que ofereça conforto e não cause problemas, com as novas regras, em todos eles é preciso colocar um símbolo que indique que ali estão sendo transportados animais vivos e um número de emergência evidente se houver qualquer problema. Além disso, manter a manutenção em dia ajudará a evitar possíveis acidentes.

Verifique as condições em que o animal se encontra para realizar o transporte

Os animais precisam ser preparados para a viagem, o principal ponto é manter uma boa hidratação em todos eles, principalmente em viagens longas, já que se por acaso o animal perder água pela urina ou suor, há pesquisas que comprovam que ele não irá se recuperar em menos de 24 horas, resultando na qualidade da carne.

Os ruminantes não sofrem de enjoo e por isso podem comer horas antes. A legislação brasileira determina que os animais não podem ficar mais do que 12 horas sem alimentação e hidratação. Se a viagem for bem longa, o ideal é desembarcar os animais para que eles recebam comida e água.

Infográfico: o que todo caminhoneiro precisa ter dentro do seu caminhão

Como evitar imprevistos no transporte de carga viva

Como evitar imprevistos no transporte de cargas

Se houver todo um preparo para a viagem, verificando as condições dos animais e a manutenção do veículo, já é meio caminho andado para que o transporte dê certo.

É importante lembrar também que o animal tende a cansar a partir das 6 ou 8 horas de viagem. Se o animal se deitar por causa das longas horas, corre o risco de ser pisoteado por outros animais, por isso, o ideal é tentar levantar esse animal que deitou.

Como oferecer mais conforto aos animais durante o percurso da viagem

Como oferecer mais conforto aos animais durante o percurso da viagem

O principal desafio para quem trabalha com isso é conter um espaço suficiente para não causar problemas tanto para as pessoas como para os animais. O certo é ter um ambiente adequado para mantê-los em pé para que eles se sintam bem acomodados.

Outro ponto em destaque é o cuidado com as condições do pavimento do veículo. Se utilizar serragem, tome cuidado para que ela não seja muito fina, já que isso pode causar algum tipo de lesão aos animais.

Regularização do transporte de carga e novas fiscalizações

Regularização do transporte de carga e novas fiscalizações

A polêmica sobre este tipo de transporte só aumenta devido ao reconhecimento por parte de defensores dos animais sobre as condições em que muitos transportes de animais eram feitos. Foi por isso que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento decidiu, em 2019, fiscalizar ainda mais este tipo de transporte.

Em São Paulo, o apoio acontece com o Comando de Policiamento Rodoviário da Polícia Militar Paulista e com as concessionárias de rodovias. O objetivo maior é garantir o bem-estar tanto para os humanos como também para os animais e para o meio ambiente, em seguida isso também passará a valer para os demais estados do país.

O debate veio à tona por causa do número de acidentes envolvendo este tipo de trabalho. Nos últimos quatro anos, só no estado de São Paulo ocorreram 2.571 ocorrências envolvendo animais, isso mostra a importância da prevenção de acidentes, assim como a prioridade de garantir a saúde e bem-estar animal.

A partir do debate, ficou estabelecido que a velocidade que os caminhões trafegam, assim como as formas que as cargas são transportadas serão inspecionadas amplamente.

Como o motorista deve proceder durante o transporte de cargas vivas?

Como o motorista deve proceder durante o transporte de cargas vivas?

É fundamental ter um preparo por parte do motorista que faz o transporte. O ideal é ter um treinamento básico com as principais divergências do trabalho, além de contar com experiência no volante. É preciso ter muita cautela e evitar freadas bruscas, trafegar acima da velocidade permitida nas vias, além de ter que tomar mais cuidado nas curvas para não causar nenhum desastre.

No sul e sudeste, as vias são melhores. Mas os pontos críticos são o Norte e o Centro-Oeste. Em estradas cheias de buracos, a atenção deve ser redobrada para os animais não caírem e se ocorrer qualquer imprevisto, o motorista deve procurar apoio, com um plano para situações de emergência.

Mais dicas para um transporte de carga viva seguro

Mais dicas para um transporte de carga viva seguro

• Não embarque animais doentes ou com algum ferimento.

• Para levantar um animal que deitou devido ao cansaço, bata palmas ou fale com eles sem causar um susto nos animais.

• Paradas são fundamentais, mas é preciso parar o veículo em uma sombra, além de evitar paradas muito longas em horários mais quentes do dia.

• É necessário ter uma rota alternativa em mente, caso ocorra qualquer imprevisto.

• Não misture bezerros com animais adultos.

Com um bom preparo, transportar animais se torna simples e objetivo! Não arrisque sua vida e nem a vida dos animais, tenha sempre em mente quais são os planos e cuidados necessários.

Gostou do conteúdo? Veja outros no Blog de Caminhões e Carretas.

Check List do caminhoneiro

Conteúdo Originalmente postado em: Transporte de carga viva: tudo que você precisa saber.

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora